BLOGGER TEMPLATES - TWITTER BACKGROUNDS »

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Parte 24

David on:

Eu havia terminado a casa na arvore e queria fazer essa surpresa para Lisa.Ela iria amar!

Tudo estava mudado, tudo muito novo.As pessoas já não se importavam mais em ver eu e Lisa juntos,a não ser Amber e meu tio.Derek e Hilary nem se viam mais, ele havia mergulhado de cabeça nessa, estava de corpo e alma na disposição de Hilary, mudaria o mundo para ela.

O tempo passava sem nem mesmo eu ver, já não sabia se era segunda ou sexta-feira.Não sabia se era dia 10 ou 15, só sabia que era verão.

Tentei me atualizar sobre o tempo, e era uma sexta-feira, dia 20 de Julho.Estava quase acabando o camping, só restava uma semana e então irei voltar para casa.Gelei!Meus olhos se arregalaram diante ao espelho que estava refletido, minhas pernas ficaram bambas, um facão perfurou meu peito atravessando minhas costas.Minhas costelas, de repente pareceram ser pequenas demais para dar espaço para dar meus pulmões expandirem.

Eu queria ter aquela vida pelo resto da eternidade, aquilo não era uma coisa fungível.Era prazeroso viver, cada manhã se tornou prazerosa, se tornou uma felicidade poder abrir os olhos quando o sol lá fora, começa a iluminar o solo e aquecer tudo e todos.Mas tudo isso, toda essa alegria e prazer de viver, iria acabar.Simplesmente acabar, e em ma semana.

Tock, tock, tock!Escutei baterem na porta, olhei para ver quem era.Lisa estava encostada no batente de madeira velha, olhando para mim com um leve sorriso.

Eu sentia que minha aparência estava ainda espantada.Tentei disfarçar.

-Oi amor! – tentei parecer feliz mas sem muito sucesso, tentei então um sorriso mas ele desapareceu rápido.Me apoiei na pia, ficando sério, pensando em alguma maneira de não distanciar dela.

-O que foi? – suas sobrancelhas se uniram enquanto ela avançava em minha direção.

-Nada.Não é nada. –respondi.Ela passou seus braços em minha cintura, sua boca roçou meu pescoço na altura que ela alcançava.

-Suas mudanças de temperamento repentinas estão me matando, sabia? – eu estava a matando?Que tipo de namorado apaixonado eu sou?

-E-eu estou te matando?! – eu parecia um louco lunático?Talvez sim.Ela riu.

-Não.Não no sentido literal.Só... – ela encarou teto, tentando achar a palavra. – Você só é meio complicado de se lidar. – ela deu uma pausa. –Mas eu aceito o desafio. – ela sorriu e voltou seu rosto para meu pescoço.

Eu a abracei o mais forte que pude.Queria senti-la, sentir o cheiro do seu cabelo e de sua pele o máximo que eu pudesse, para quando nós nos separarmos, nunca esquecer como ela cheirava e como era senti-la em meus braços.Ela pareceu perceber.

-O que foi? – ela uniu suas sobrancelhas de novo, a voz cantarolada. – O que há de errado? – suas mãos afagaram meu rosto, isso automaticamente fez com o que eu fechasse os olhos para que eu a sentisse melhor.

-Você sabe que dia é hoje? – perguntei.Ela pensou um pouco, e fez que não com a cabeça. – Sexta -feira, dia 20 de Julho.

-E?

-Quando acaba o camping?Você se lembra? – Ela pensou de novo, depois de segundos seus olhos se arregalaram, sua expressão foi invadida por medo, chegava a ser desespero.

-Ma-mas eu não quero!Quero dizer, não pode!Você tem que ficar comigo e eu com você, é assim que tem que ser!Você está ligado á mim e eu á você! – ela estava com toda razão.Ela já era parte de mim.Ela me abraçou forte, seu coração palpitava rapidamente, parecia saltar de seu peito.Senti algo quente molhar minha camiseta, acariciei seus cabelos.

-Shhhhh.Calma.Vai ficar tudo bem. – suas lagrimas brotaram ainda mais. – Olhe aqui para mim.Olhe. – ela me olhou, os olhos vermelhos. –Nem tudo está acabado, nada é impossível nesta vida.

-Mas David, você mora em Fresno e eu em Los Angeles.Você mora à 450 quilômetros de distancia de mim. – com certeza era uma distancia enorme para eu poder suportar.

-Ei, são 4 horas.Eu tenho um carro, e moro sozinho.Quer dizer, moro com o Derek mas ele não conta muito como um ser humano racional.Por isso eu digo que vai ficar tudo bem. – ela me olhou nos olhos, e senti pena dela.Passei o dedo em uma gota de lágrima em seu rosto, ela sorriu.

-Você me promete? – perguntou ela com a voz rouca.O olhar de uma criança triste.

-Claro que sim!Nós somos inseparáveis, lembra? – dei uma piscadela para ela para descontrair, mas eu não me sentia bem tampouco.

David off


Lisa on:

Eu estava desesperada.David também estava, por mais que ele tentava disfarçar, dava para ver que ele também se desesperava.Seus dedos estava fincados em minhas costas, parecia querer arrancar algum órgão de dentro de mim, e ele não parava de me apertar mais e mais.Soltei um gemido de dor quando já estava me faltando ar, e minhas costas já foram quase que perfurada.

-Desculpe. – ele sussurrou deixando-me respirar. – Quero te mostrar uma coisa.

-Você é cheio de me fazer surpresas não é mesmo? –ele sorriu.Mas não disse nada, levantou da cama e me puxou.Ele me levava em direção do nosso recanto feliz, quando chegamos na frente do verde total, ele tirou um pedaço de tecido do bolso.

-Tenho que ter certeza de que você não vai olhar. – ele amarrou a venda nos meus olhos e pegou em minha mão para guiar-me.

Senti os galhos raspando meu braço e umas folhas quase entrando em minha boca até que senti estar livre dos galhinhos e ele havia parado de andar.

Ele tirou a venda dos meus olhos e eu vi o sol cintilar em alguns pontos atrás das arvores.Notei algo diferente.

-Ah!Não acredito!Você acabou a casa na arvore sozinho?! – eu comecei a gritar de alegria quando me dei conta.

A casinha lá em cima, entre os enormes galhos da enorme arvore, era de tom palha, o telhadinho, porta e janelas eram cor mel. – havia uma escadinha feita com corda e troncos de madeira.

-Gostou? – perguntou ele.Ele sorria, com seu sorriso alegre feliz.Com o meu sorriso.Sentia que ele estava feliz por estar ali e também me ver feliz.

-Eu amei! – eu o abracei. – Por isso que não te vi ontem o dia todo.Não foi por isso?

-Você é esperta.Vamos? – ele apontou para a casinha.

Ele me ajudou a subir as escadas até a casinha e me ensinou a abrir a porta.Olhei em volta, não havia nenhuma coisa em especial ainda – só havia um colchão de ar, no canto, com uma colcha.

-Ainda na tem nada, mas vou terminar.Achei que gostaria de decorar comigo. – disse ele quando acabei de revistar o lugar.

-Tá ótimo!Perfeito. – ele sorriu para mim.

-Amo te ver feliz deste jeito.Você era tão...tão... – ele queria me chamar de emo.Sabia disso, mas eu já não me importava com isso.

-Emo? – perguntei levantando uma sobrancelha.

-Não!Não, é... – eu ria do desconcerto dele.Isso me deu vontade de apertar suas bochechas e mordê-lo.Não resisti a suas bochechas vermelhinhas, dei uma leve mordidinha, de leve, sem machucar.Ele pareceu rosar mais ainda.Acho que ele era o cara mais tímido que eu conhecia, principalmente com a própria namorada.

-Quanto tempo temos? – perguntei,querendo livrá-lo de uma resposta.Ele olhou em seu relógio de pulso.

-Temos 2 horas até as provas finais.

-Então dá para curtir. – disse me jogando no colchão de ar.Ele se sentou ao me lado.Olhei do lado do colchão e percebi a existência de uns saquinhos de batatinhas ‘Rufles’. – Rufles?

-Eu tinha que me alimentar de alguma forma. – eu ri enquanto abria um dos saquinhos.Ele pareceu envergonhado.

-Para com isso!

-Parar com o que? – sua voz saiu cantarolada e fininha.

-Com isso!De se envergonhar com tudo.

-Ah, sei lá.Eu sempre fui assim, eu sou meio crianção e não quero que você pense eu sou um bobão. – suas bochechas rosaram de novo.Pela 3 vez hoje.

-É fofo. – dei-lhe um beijo na bochecha.Lembrei de Hilary e Derek.Os dois estavam tão felizes!E eu tão feliz por eles, eles se amavam tanto.Nem queria saber o que estavam fazendo nem onde estavam.Deviam estar fazendo a mesma coisa que eu e David.Estávamos fazendo um monte de nada.Mas mesmo assim eu queria saber, será que eles também tinham um canto secreto como nós?Será que eles estavam brigando?Ou não se importavam com as pessoas olhando para eles e se abraçavam e qualquer lugar?

Lisa off

Derek on:

A felicidade estava correndo em minhas veias, eu mal conseguia dormir, querendo que o próximo dia chegasse logo para que eu pudesse ficar perto dela.Havia tantas coisas que eu queria conversar com ela, contar a ela sobre mim e ouvi-la também.David e eu não nos vimos muito, só no café da manhã e depois sumiu do mapa, mas eu estava com a Hilary então ele não me fez falta.

Hilary estava tão entusiasmada com o namoro quanto eu, ela falava, e falava, e falava e quando parava para respirar, era a chance que eu tinhala me conto sobre como ela vive, que os pais dela são donos de uma empresa de publicidade multinacional, que ela tem uma irmã de 12 anos, como ela conheceu Lisa e como uma mudou a vida da outra.

Ela e Lisa eram apaixonadas pela banda Jonas Brothers – acho que David não sabia disso – eu de vez em quando brincava com ela de chmar eles de Jonas Bostas e ela me batia, mas era de brincadeira.Elas iriam conhecer eles quando voltassem para casa e então iria realizar um sonho.Mais o sonho de Lisa do que o dela, ela não quis me contar o motivo disso, só me disse que era por causa do pai da amiga, e ela não podia comentar nada comigo por era uma coisa muito pessoal.

Ela me contava enquanto andávamos pelo camping – nós não tínhamos um lugar secreto como David, mas também nós não precisávamos nos esconder de nada nem de ninguém.

Aramos para descansar de baixo de uma arvore, quando vi o tio do David vindo em nossa direção.

-Derek, você viu o David? – ele me perguntou.Pensei por um momento.

-Não senhor. – respondi mas como se eu não soubesse onde ele estava.Ele me olhou e logo em seguida seguiu o olhar para Hilary.

-A doença do meu sobrinho parece estar afetando o camping inteiro não? – eu não ousei abrir minha enorme boca, pois saberia que iria piorar as coisas.Ele riu mas hesitou rápido. – Mas isso é problema de outro tio, de outro pai. – continuou ele e saiu.Hilary olhou para mim e começou a rir.O que ele tinha contra em namorar alguém mais nova?Como se a esposa dele não fosse mais nova do que ele.

-Ele é louco. – começou a falar Hilary.Começou a falar ou continuou a balbuciar coisas sem parar, emendando um assunto com o outro, fazendo com o que eu ficasse louco sem nem mesmo saber do que se tratava o assunto.

-É, mas eu já estou acostumado.Venho aqui desde pequeno.David é meu amigo de infância, moro com ele em Fresno, é um apartamento pequeno, mas é legal.

-Eu moro em Los Angeles, 2 quarteirões de distancia da casa da Lisa. – eram 4horas de viagem, 450 quilômetros.Longe demais para eu ficar sem ela.Não comentei nada sobre isso, ela ficaria completamente eufórica e triste, não iria jogar bem na gincana nem se concentrar em qualquer outra coisa que fosse preciso.

Engoli em seco só de imaginar eu todas as noites pensando nela, lá no apartamento com David.Ele também não ficaria bem sem o amor de sua vida, então seriamos dois caras, apaixonados por garotas que moram longe o bastante para que nós sentimos a falta delas.

Derek off

Hilary on:

Era ótimo como as coisas andavam, tudo muito perfeito e encantado.Tudo muito romântico.

Eu estava feliz ali!Estávamos fazendo um monte de nada, mas só pelo simples fato de estar com ele, estar os braços dele, já era como se eu estivesse rendendo o dia.

Não me preocupei com as horas, nem se alguém passava por nós.Nada podia estragar aquele momento, meu segundo dia de namoro com o cara da minha vida toda!

Minha avó dizia que aos 15 anos até aos 18 anos eu iria ter uma paixonite— iria ser uma coisa tão forte, mas tão forte que eu até iria achar que não conseguiria viver sem aquela pessoa.Isso estava acontecendo comigo agora, naquele exato momento, mas será que era realmente uma coisa tão passageira e que se torna tão fria de se contar no futuro?Não me via longe dele, e muito menos tendo uma família feliz com um outro qualquer.

Ele fungou em meu cabelo e deu-me um beijo ao alto de minha cabeça fazendo eu sair de meus pensamento terríveis.

-Derek? – chamei-o. –Você realmente, mas REALMENTE mesmo, me ama?

-Por que está perguntando isso?

-Responde. – não liguei para a pergunta dele, só queria saber da minha.

-Acho que sim. – ele franziu a testa.Eu o olhei, esperando ele justificar sua resposta ridícula. – Hilary, eu tenho 19 anos, eu lá sei o que é amar alguém?E você?Me ama? – pensei por um momento e então concordei com ele. – Viu?Nem você sabe.Eu sinto uma coisa forte por você, como se você me faltasse eu morreria, mas na sei se é passageiro.

-É. Mas prefiro achar que isso é amor. – peguei o braço dele para ver as horas em seu relógio de pulso. – Tá na hora. – disse me levantando e ele também se levantou, mas me pegou pelo braço.

-Preciso de uma coisa antes de tudo. – ele sorriu e eu já havia entendido seu recado.

Voei para seu pescoço e ele afagou meu cabelo depois me beijou.Os sinos tocaram de novo.

-Agora eu estou pronto. – disse ele depois que hesitou em me beijar.Saí correndo para o monte de pessoas aglomeradas.

Hilary off

Amber on:

Eu queria gritar!Catar uns dos troncos pesados e duros que havia no chão, e tacar em Lisa!Isso não era justo.

Eles estavam atrasados de novo para as provas .O atrazo deles se tornou comum para todos –quando diziam “Faltam 2 pessoas.” Todos já sabiam que era os dois.Aquilo era irritante, me deixava numa raiva incomum.

O que eu teria de fazer para tê-lo?O camping iria acabar em uma semana e eu nem mesmo havia chegado perto dele.Muitas pessoas chama essa isso de inveja, mas eu chamo de justiça.

O que tinha de errado em amar um alguém que nunca te notou?

Eles viam em direção de todos correndo.Eles riam, deviam estar rindo de nós.De eles ter conseguido fazer nós esperar eles todo esse tempo.

Meus dentes trincaram, minhas moas coçavam para colocar o plano do tronco de arvore em ação.Imaginei a cena e foi engraçado.

-Você devia se acalmar. – disse Kate.

-Não acha essa obsessão toda um exagero? – incrementou Sharon.O que elas queriam?Me destruir?

-só um recadinho.Não preciso de vocês para me dizer o que devo dizer ou não ok? – ela fizeram que sim com a cabeça e então sorri. – Ótimo.

Voltei meus olhos para eles e então cada uma já estava em seus devidos lugares.David com seu grupo e Lisa no dela.Ele não desviava os olhos dela e o sorriso era constante –isso em ambas partes.

Amber off


respondendo!

Sofia: aah soh valeu, e sim, é de propósito que tento fazer do Derek pateticamente lindo, hihi,

Thalia:obrigada linda, e que bom que voc se apaixona pelos meus casais! hihi.Já divulguei sim o seu blog, e ta ficando incrivel!!

2 comentários:

Thalia disse...

Obrigado por ter divulgado o meu blog e esta otima a sua historia

Sofia disse...

adr esse capitulo gabi!!!
q bom q vc volto a postar
posta logo!
bjonas